Açores Roadtrip

Querida mãe,

Falar sobre ti é-me sempre tão natural mas, ao mesmo tempo, tão difícil. É que, sabes, fico sempre aquém da pessoa incrível que és. Não consigo encontrar as palavras para descrever os teus encantos. E oh, se tens tantos…

Gostava de, um dia, permitir que te visses pelos meus olhos. Que sentisses a calma, a força, a segurança, o apoio e confiança que transmites a todos em teu redor.

Crescer ao teu lado fez-me ter a certeza do tipo de mulher que quero ser. Do tipo de mãe que só teria a sorte de ser um dia. És um exemplo para mim em tudo aquilo que fazes. No teu empenho e dedicação, na tua sede de aprendizagem, na tua ânsia por motivar, na tua devoção aos que têm mais dificuldades, na tua paciência incansável.

E os teus abraços? Oh mãe, os teus abraços curam tudo. Não há doença no mundo que não se cure mais rápido no teu abraço, com as receitas miraculosas que sabem sempre tão melhor quando são feitas com o teu carinho e dose de preocupação.

Só lamento não ter percebido isto mais cedo. Não teria deixado a adolescência levar a melhor, nem a parvoíce de querer independência e de evitar o teu colinho.

Querida mãe, inspiras-me. Motivas-me. Apoias-me. Sou eternamente grata por te ter na minha vida e por TUDO aquilo que fizeste e continuas a fazer por mim. Quero que saibas disso – que reconheço, todos os dias, a bênção que és.

Aconteça o que acontecer, estás cravada em mim. O teu sorriso, o teu toque, o teu cheiro. As nossas memórias, desde a canção que cantavas para mim ao adormecer, ao meu gosto pela leitura e pela escrita. Partilhamos muito mais do que sangue – partilhamos um amor transcendente, um amor que não se explica e que, quanto a mim, se fortalece a cada história que traçamos juntas, ou de mãos dadas.

Querida mãe, muitos parabéns. Hoje vamos celebrar, tal como o deveríamos fazer todos os dias da tua existência. Porque tu fazes do (meu) mundo um lugar melhor, e não há melhor celebração do que a do amor.

Amo-te e obrigada, querida mãe.

Açores Miradouro da Ponta do Sossego