Os livros que li em 2018

Desde Julho, voltei a ser uma leitora mais activa. Para isso contribuíram os dias de praia, o voltar a usar transportes públicos e seguir o Book Gang da Helena Magalhães.

Os livros que li em 2018 foram fantásticos e trouxeram-me, de novo, o gosto pela leitura. Livros que conseguiram transportar-me para outros mundos, para outras vidas. Que me fizeram ficar a ler até tarde. Ou a aproveitar qualquer momento a sós. Livros que devorei em manhãs de praia ou em noites sozinha.

Estes foram os livros que li em 2018 e que abriram portas para que a lista seja duplicada em 2019.

Homem de Giz : Este foi, de todos, o que mais me surpreendeu. Foram várias as pessoas que me recomendaram este livro pelo Instagram e foi absolutamente arrebatador. A história prendeu-me desde as primeiras páginas e, até ao fim, foi inesperado. Uma leitura obrigatória para quem gosta de thrillers.

Duas Verdades e Uma Mentira : O segundo preferido do ano é passado num campo de férias, vários anos depois de 3 adolescentes terem desaparecido misteriosamente. Agora, o mistério pode repetir-se à medida que a verdade começa a ser descoberta. (Editora Top Seller)

Into the water: Li-o em inglês para ir praticando e, à semelhança do que aconteceu com “A Rapariga no Comboio”, gostei da história, especialmente da ligação ao passado e ao que era feito às mulheres, antigamente, que eram consideradas bruxas.

Um de Nós Mente: Esta história é passada num liceu e, pela proximidade de idades e de histórias, é fácil de nos relacionarmos com os personagens.

A Mulher à Janela : Este thriller teve momentos em que me deixou inquieta e que me pôs a sofrer com o estado psicológico da personagem principal. Não é fácil perceber o que é verdade ou mentira mas, no fim, surpreendeu-me.

Pedido de Amizade : Este thriller fala-nos sobre bullying, e de como, em adolescentes, mal temos noção de como as nossas atitudes podem ter consequências devastadoras na vida das outras pessoas, da sua auto-estima.

A Namorada : É um thriller interessante mas não foi, da lista, o que mais me surpreendeu. Ainda assim, é interessante perceber as perspectivas tanto da mãe protectora como da namorada.

Lagom: Saindo dos thrillers, gostei de ler o “Lagom” por me introduzir a um modo de estar na vida que quero começar, aos poucos, a ir implementando na minha vida. (Editora Nascente)

GirlBoss: Já conhecia a história real mas é um livro interessante na perspectiva de uma mulher empreendedora, que nunca baixou os braços, que nunca teve formação académica e que, pela sua paixão e determinação, construiu um império.

O Que Diz o Coração: Foi o último livro que li em 2018 e traz consigo uma mensagem bonita. Cada página tem uma mensagem diferente, todas relacionadas com a importância de nos amarmos, de respeitarmos o próximo e de sermos felizes. Há quem o considere cliché mas, acreditem, há momentos na vida em que este tipo de livros nos podem ajudar a respirar fundo e a ter esperança. (Editora Nascente)