Lições que aprendi em 2018

2018 foi um ano intenso. Envolvi-me em dois novos desafios profissionais. Tive oportunidade de viajar bastante. Perdi pessoas importantes na minha vida. Tive de lidar com sentimentos intensos sem deixar o mundo desabar à minha volta. Mudei de casa duas vezes. Iniciei um desporto. Enfim… 2018 foi um ano que me trouxe muitos momentos felizes e alguns dissabores. Mas aprendi com tudo o que aconteceu.

Dei por mim a reflectir um pouco sobre as lições que aprendi em 2018 porque mais do que nos queixarmos ou darmos graças, é importante aprendermos algo para continuarmos a crescer e a evoluir enquanto pessoas. Seja para não repetir os erros, seja para fazer ainda melhor.

#1 – A vida é uma surpresa constante

Estava longe de pensar em tudo o que me aconteceu em 2018. A primeira grande lição que retirei é que a vida é uma surpresa constante e que não pára mesmo. Podemos fazer imensos planos, mas tem de haver sempre espaço para o imprevisível. Acima de tudo, tem de haver força e coragem para se lidar com o que não se planeia. Com o que não se espera. E com o que não se gosta.

#2 – Quando uma porta se fecha, abre-se mesmo uma janela

É desesperante quando sentimos que algo na nossa vida termina, que algo se encerra, especialmente se não tiver sido a nossa vontade. Mas 2018 foi a prova de que, realmente, quando uma porta se fecha, abre-se mesmo uma janela. Ou outra porta ainda melhor. Ás vezes é mesmo preciso trocar de portas, trocar de desafios, trocar de pessoas. Porque o que vem a seguir é ainda melhor para nós.

#3 – Uma pausa pode ser benéfica

Ás vezes as pessoas saturam-se. É muito comum isso acontecer. Saturamo-nos, inclusivamente, das pessoas de quem mais gostamos. No ano passado percebi que fazer uma pausa pode ser benéfico, e pausei algumas coisas na minha vida. Relações e projectos. Porque precisava de respirar. De espairecer. De descansar. E o que aconteceu, quando desliguei o botão da pausa, foi que tudo ficou muito melhor na minha vida. As relações, que antes estavam saturadas, tornaram-se incríveis. E os projectos, depois de ter tempo para pensar, ficaram ainda melhores.

#4 – Passar (algum) tempo sozinha é uma bênção

Quando estamos em paz connosco próprios, passar tempo sozinhos pode ser uma bênção. Tive oportunidade de viajar sozinha para o Brasil, de fazer vários dias de praia sozinha e de ficar muito tempo sozinha em casa. E sabem que mais? Soube-me tão bem! Ouvir a minha música, ler os meus livros, escrever à vontade. Sem interrupções. Sem fazer vontades a ninguém. Me, myself and I.

Quais foram as tuas grandes lições dos últimos tempos?