Casa dos Avós

Casa dos Avós

Infelizmente, já só tenho os meus avós maternos, que moram a 300km da minha casa, da minha cidade. Pude viver com os meus outros avós (os paternos) durante alguns anos, quando se mudaram para nossa casa porque achámos que não estavam a ser tão bem tratados como deveriam no lar onde estavam, mas não foi o suficiente para compensar todos os anos de ausência, uma vez que moravam numa daquelas aldeias refundidas, no Alentejo, e só os via 4 ou 5 vezes por ano. 

Por já ter perdido esses meus avós, dou cada vez mais valor aos que ainda tenho. Nem sempre é fácil porque a idade, como vi bem de perto, consome as pessoas e acaba, na maioria das vezes, por lhes retirar a sanidade e deixa-os difíceis de lidar. Sobretudo para pessoas jovens e cada vez com menos paciência, que não compreendem bem esta coisa da velhice nem o que vai na cabeça dos ‘velhotes’. E incluo-me a mim neste grupo. 

Ainda assim, a casa dos meus avós é como se fosse minha. O ar da terra deles faz-me sentir em casa e vejo no lar deles mais um porto seguro. Onde, apesar da velhice, sou sempre bem recebida com todo o amor e carinho que existe para oferecer, do mais genuíno. E onde cada pormenor me faz querer voltar sempre para mais um abraço, para mais um beijo. 
post signature
◆ Seguir no Facebook