despedida de solteira em Sevilha

Quando conheci a Genny, éramos as duas umas miúdas. Temos alguns anos de diferença mas a diferença de idade nunca nos atrapalhou. Ela sempre foi uma miúda com os pés bem assentes na terra, que sabia o que queria e não se deixava demover dos seus objectivos. Vivemos momentos incríveis juntas e criámos uma ligação que sobreviveu apesar da distância – antigamente ela morava na Suécia e vinha muito poucas vezes a Portugal. Mas éramos confidentes uma da outra e, felizmente, a internet já nos facilitou muito o trabalho.

Os anos passaram e, embora nunca tivesse deixado de ter o lugar tão especial que tem no meu coração, seguimos os nossos sonhos. Ela entrou em medicina e eu ando para aqui a construir o meu futuro também. Apesar de tudo, continuámos a ser especiais uma para a outra. E prova disso foi o fim-de-semana incrível que passámos em Sevilha na sua despedida de solteira. Sim, a Genny vai casar! Se há alguém que merece uma vida cheia de amor, é ela. Tem um coração que nunca mais acaba e dá tudo o que tem às pessoas de quem gosta. Fico feliz demais ao saber que encontrou alguém que faz o mesmo por ela.

despedida de solteira em SevilhaLamechices à parte, vamos lá falar sobre a despedida de solteira em Sevilha. Aconteceu no seguimento da morte do meu tio o que, por um lado, me ajudou a desanuviar as ideias. Éramos um grupo de 9 miúdas muito bem dispostas. Apesar de não conhecer nenhuma delas até então, e ter sido uma surpresa nesse sentido, demo-nos todas muito bem e foi animação do início ao fim da viagem, mesmo com duas e três horas de sono em cima.

O plano foi todo concebido com a empresa Bacaré Sevilha, que tratou de organizar todas as actividades consoante o tempo que tínhamos e o que queríamos fazer. O plano foi:

SEXTA-FEIRA:

  • Sair de Lisboa às 16h00 (que só aconteceu mesmo às 18h00 por causa dos atrasos típicos)
  • Jantar + show cómico: Chegar a Sevilha a tempo do jantar, às 22h30 da hora local (uma hora a mais que em Portugal) foi um desafio. Com o pé muito a fundo no acelerador, já conseguimos chegar a tempo. Umas ficaram a garantir que não perdíamos a reserva no restaurante, as outras foram ao hotel deixar as malas e o carro. Jantámos no restaurante Arte & Sabor e a comida era realmente maravilhosa. O show cómico é que teve tudo menos piada. No fundo, era um comediante que falava espanhol muito, muito depressa, e que fingia ser um péssimo empregado de mesa. Só percebemos que o show cómico era ele a meio do jantar, quando já estávamos a perder a paciência para um empregado tão desastrado e chato.
  • Beber um copo num bar: Depois do jantar, e para não irmos logo para o hotel, fomos para uma zona de bares ali ao pé. Encontrámos um barzinho com música que nos agradava, num estilo mais comercial, e por lá ficamos um pouco. Sem esticar muito, claro, que o dia seguinte estava cheio de actividades.

SÁBADO:

  • Manhã livre: Aproveitámos a manhã para ir a banhos na piscina do hotel, o que nos soube maravilhosamente bem. Deixámos o pequeno-almoço para mais tarde e não almoçámos porque a gincana começava às 14h00 e ia incluir muita comida.
  • Gincana às 14h00: Basicamente, consistiu numa série de desafios que a noiva tinha de completar maioritariamente sozinha (alguns desafios poderia precisar de ajuda). Parámos em vários sítios pelo centro de Sevilha para comer umas tapas e beber uns refrescos (ou cervejas) e, quando terminou a gincana, já estávamos absolutamente cheias!
  • Tuppersex às 19h30: Perto das 18h00 estávamos a regressar ao hotel. Depois de uns banhos na piscina, despachámo-nos a correr para o Tuppersex. Decorreu num dos nossos quartos e juntámo-nos todas na cama e no chão, enquanto que a sexóloga apresentava diferentes tipos de lubrificantes e sex toys. Deu-nos, inclusive, a oportunidade de experimentar alguns lubrificantes para sentirmos o sabor (calma, foi tudo altamente higiénico, sem contactos genitais, ok?). O mais esquisito e poderoso foi um vibrador líquido (sim, leram bem) que nos deixou a boca a vibrar durante 40 minutos. No final, a sexóloga vende os produtos a quem estiver interessada e responde a todos os tipos de dúvidas sobre a vinda íntima dos casais. Não se inibam caso adiram a esta actividade porque é muito gira e pedagógica.
  • Jantar: Fomos jantar ao Piano Piano, um restaurante italiano. Honestamente gostei das pizzas, embora tenha sido a única a ficar realmente contente com o meu prato. Já comi pizzas melhores mas não estava nada mau. O staff é que não era muito simpático mas era o único sítio onde podíamos assistir ao show erótico que vinha a seguir.
  • Show erótico: Depois do jantar, subimos para uma sala que estava já às escuras, com cadeiras dispostas em U. Sentámo-nos e claro que vinha um stripper a caminho. Ele interagiu muito pouco connosco, mas muito com a noiva. Não acho que tenha sido demasiado hardcore, pelo menos comparado com os filmes do Magic Mike que são a minha única referência.
  • Discoteca ao ar livre: Terminámos a noite no Terraza Bilingo e adorei a discoteca por ser ao ar livre. Tinha imenso espaço e vários bares, incluindo uma secção de shisha (aqueles cachimbos de vapor com sabores). Foi uma noite super divertida e vale a pena referir que os mojitos eram soberbos!

DOMINGO

  • Checkout: As que conseguiram acordar a tempo, aproveitaram o pequeno-almoço do hotel, como eu (sim, que aqueles pequenos-almoços não se perdem, independentemente do tamanho da ressaca). Tivemos de fazer o checkout até às 12h00, mas depois pudemos deixar as malas numa sala do hotel que, a partir das 15h00, cobrava 1€ por hora. Como tínhamos de sair às 16h00, não foi dramático e ainda conseguimos aproveitar a piscina do hotel e petiscar qualquer coisa por lá.
  • Passeio no Guadalquivir: Esta foi uma das melhores partes da despedida de solteira. Tìnhamos um pequeno barco só para nós, com uma garrafa de espumante e música à nossa espera. Estivemos a bordo cerca de uma hora, em pleno rio, e foi muito giro e agradável.
  • Regresso: assim que terminámos este passeio, rumámos a Portugal.

Houve direito a muita comida boa (os nossos hermanos sabem cozinhar), muita bebida boa (venha de lá o Lambrusco e os mojitos), de gincanas, de sessões fotográficas, de discotecas, de tuppersex e até mesmo um striper. No meio de tudo isto ainda conseguimos aproveitar a piscina do hotel e ainda bem, porque, por lá, as temperaturas estavam bem altas e morremos de calor. Valeu-nos a piscina e o meu borrifador, que me refrescou a viagem toda.

Posto isto, queria só dizer que fiquei fã das despedidas de solteira. Foi a primeira vez que fui a algo deste género mas adorei o espírito e a energia que se sentiu. Deve ser óptimo para a noiva poder passar uns dias só com as suas melhores amigas num ambiente descontraído e completamente focado nela. Não sei se me vou casar mas, se o fizer, vou obrigar as minhas besties a preparar-me um fim de semana assim. Bem, se calhar não tão agitado porque só devo casar lá para os 40 e, nessa altura já não tenho pedalada (se agora mal a tenho, imaginem com 40 ahaha). Mas podem mandar vir o Magic Mike, muitos mojitos, sushi, música e as melhores amigas para fazermos uma festa do caraças!