Depressão de Inverno

Detesto o Inverno. Não gosto do frio. Não gosto de chuva. E não suporto chuva e frio ao mesmo tempo.

O Inverno é uma treta. Sim, eu sei que a chuvinha faz falta mas, para quem é cosmopolita e não fica a gozar o subsídio de desemprego em casa, há muito drama envolvido em ter de sair para trabalhar no Inverno. O trânsito fica ainda mais caótico, as tosses e as gripes surgem tipo Peste Negra, a conta da luz dispara porque é preciso ligar aquecedores em toda a casa e só sabe bem comida quentinha no forno. E andar de transportes públicos com guarda-chuvas e milhões de camadas de roupa não podia ser mais chato.

Percebi que fico muito mais irritadiça e desmotivada, no geral, quando passamos do Outono para o Inverno. Quando o cair das folhas é trocado pela chuva. Quando o horário muda e às 17h00 já é noite cerrada. Perco inteiramente a vontade de sair de casa quando está frio e pior ainda quando chove.

Descobri, por acaso, um artigo que falava sobre o SAD (Seasonal Affective Disorder), em português conhecida como “Depressão de Inverno” que é como quem diz uma espécie de depressão relacionada com a mudança do tempo/das estações e estima-se que atinja cerca de 10% da população europeia!

Depressão de Inverno

O SAD é mais comum nas mulheres (e não são as mulheres mais sensíveis por Natureza?) e é caracterizado por alguns sintomas específicos, nomeadamente:

  • Decréscimo do nível de energia
  • Fatiga
  • Mais sono e alterações do padrão de sono
  • Apatia
  • Dificuldade de concentração
  • Mudanças no apetite (geralmente para comer mais)
  • Aumento de peso
  • Maior irritabilidade
  • Isolamento
  • Ansiedade sem explicação aparente

Depois de ter lido estes sintomas, confesso que me identifico com quase todos da lista. Acho que para mim, no fundo, o Inverno traduz-se a um período de tempo que me é imposto pela vida e que me deixa mais ansiosa, menos social, muito mais introvertida e mais pessimista. Por oposição, assim que volta o bom tempo, noto que o meu estado de espírito fica muito mais leve e que a forma de encarar a vida e os problemas é mais optimista e mais numa onda de procurar soluções e divertir-me no processo. Há qualquer coisa no Verão que me muda radicalmente para melhor e que torna o meu sorriso mais aberto.

Mas, ao invés de me focar no Verão, porque ainda faltam uns mesinhos e só de pensar nisso começo a ficar ansiosa, quero partilhar convosco os truques que li e que vou começando a implementar aos poucos para contrariar o SAD e a depressão do Inverno.

  • Sair de casa pelo menos uma vez por dia. Há dias, especialmente ao fim-de-semana, em que não me apetece sair de casa. Para nada. Aliás, ficaria na cama o dia todo se pudesse. E, no Inverno, é comum sairmos de casa e voltarmos de casa sem sol. Quando vou para o escritório, nem saio da minha secretária para comer, quanto mais ir dar um passeio. Mas, a partir de agora, vou obrigar-me a fazer uma pausa à hora de almoço e a dar um passeio. Bastam 20 minutos de ar fresco na rua para dar um boost à boa disposição e à concentração.
  • Comer melhor e praticar exercício físico. Quanto mais como de forma saudável, menos ando ansiosa. Noto diferença se comer uma pizza ou batatas fritas, por exemplo, porque começo a ficar mais ansiosa, o meu corpo reage e não me sinto tão bem. Há quem diga que reduzir a ingestão de cafeína pode ajudar na ansiedade mas a verdade é que o chá preto é o meu preferido e adoro beber uma grande chávena todas as manhãs. Não me quero desfazer deste meu hábito, mas fica a sugestão para quem bebe muitos cafés.
  • Ir de férias. Realmente, quando fui de férias em Fevereiro do ano passado para Punta Cana, passei muito melhor os meses de Inverno porque andava a planear a viagem e isso deu-me logo uma motivação extra. Como estava focada em praia e em mojitos, não ligava tanto ao frio que aqui estava porque sabia que, em breve, ia estar a dar mergulhos em água quentinha. Este ano, as viagens que poderei vir a fazer já serão no Verão e ainda não as consigo planear mas, se puderem, viajem no Inverno – é mais barato e ajuda a libertar a frustração do Inverno.
  • Contrariar o SAD. Ser proativo é uma das melhores formas de contrariar o SAD e não deixar que ele atrapalhe os nossos objectivos pessoais e profissionais. Às vezes é uma luta interna, mas obrigo-me a abrir os olhos e a sair da cama. Passei a apontar todas as minhas tarefas no Todoist e não posso terminar o dia sem as concluir a todas. A organização tem sido determinante para não deixar tarefas para trás e não deixar que o SAD me impeça de atingir os meus objetivos.