Castelo de Bode

Quando o Verão prometia estar prestes a despedir-se de nós quis aproveitar ao máximo aqueles que achava que iriam ser os últimos dias de sol e calor do ano. O destino escolhido? Castelo de Bode com amigos.

Nunca tinha lá ido e, honestamente, nem sabia onde ficava. Sabia, contudo, que uma das minhas melhores amigas tinha lá casa e que se tratava de uma barragem. E porque não? Chegámos numa sexta-feira ao final da tarde, depois de um trânsito infernal para sair de Lisboa. No meio parámos para fazer algumas compras para o jantar e, quando finalmente chegámos ao apartamento, já era de noite e vínhamos exaustos depois de uma semana de trabalho.

Como estava noite cerrada, não era possível ver nada em nosso redor, mesmo tendo jantado na varanda. Por isso, quando acordei de manhã, subi os estores e olhei pela janela, nem queria acreditar na paisagem INCRÍVEL que tinha à minha frente. Senhoras e senhores, esta é a vista do quarto da minha amiga:

Castelo de BodeImaginam o que é acordar e depararem-se com este cenário? Fiquei, literalmente, de boca aberta. Por momentos só pensei no quanto teria adorado fazer umas férias ali com aquela pessoa especial e o quão mágico é aquele lugar. E ainda só tinha visto aquela paisagem…

Tomámos o pequeno-almoço na varanda novamente, já com um calor agradável que prometia um dia fantástico para apanhar sol e andar de barco. E, depois, rumámos à barragem para ir passar o dia no barco. Para quem, como eu, não conhecia aquele local, uma aventura estava prestes a começar. Castelo de Bode Castelo de BodeA descida até à zona da água é acentuada, mas faz-se sem problemas. Mas eu, preguiçosa como sou, só pensava no quanto me iria depois custar a subida ao final do dia (felizmente, adianto-vos, não foi tão dolorosa quanto esperava ao início).

Chegando ao barco, andámos a passear pela barragem. A sensação com que fiquei é que não tem fim. Navegámos, navegámos e navegámos sem eu ter avistado o final à água. O que via, sim, eram grandes casas escondidas no meio das árvores, patos e alguns corajosos a fazer wakeboard o que me leva, precisamente, à maior aventura de todas: experimentar esta modalidade.

Esta minha amiga é… digamos… quase perfeita. Ou seja, para além de gira, divertida e simpática, é toda virada para os desportos. Para ela, fazer wakeboard sai-lhe naturalmente e eu, depois de ver a facilidade com que ela se punha em cima da prancha e já fazia algumas manobras, achei que ia ser facílimo. Isto porque, apesar de estar longe da minha forma física mais atlética que tinha na altura do secundário, sempre me safei bem em tudo o que era desporto. Só que, ao contrário do que pensava, esta coisa dos desportos aquáticos ainda não é bem a minha praia.

Experimentei e tentei, juro que tentei. Mas, passadas umas cinco tentativas, resolvi desistir. Nem foi por mim, foi pelos coitados que estavam no barco à seca, na esperança que eu me pusesse em pé, coisa que não aconteceu. Para o ano vou conseguir, está decidido. Contudo, 2015 não foi o ano em que me pus de pé numa prancha de wakeboard.

Para compensar, todo o resto foi fantástico, desde o próprio passeio de barco em si, almoçar com vista para a barragem num restaurante super simpático e acolhedor, sem nunca esquecer a companhia e a banda sonora. Foi daqueles fins-de-semana que repõem todas as energias, e eu bem estava a precisar. Só queria poder ter fins-de-semana destes todos os dias, e os problemas iam sempre parecer muito menores.

Enfim, vou-me deixar de palavras porque o que interessa mesmo aqui são as paisagens e este local mágico e incrível. Prometo que, quando arranjar um namorado, vou alugar ali uma casa e vou lá passar férias. Que sítio maravilhoso, ora vejam…

Castelo de Bode Castelo de Bode Castelo de Bode Castelo de Bode Castelo de Bode Castelo de Bode Castelo de Bode Castelo de Bode Castelo de Bode Castelo de BodeJá conheciam Castelo de Bode? Partilhem comigo sítios assim lindos e maravilhosos para eu ir descobrir nos próximos fins-de-semana!