Coimbra

Quem me acompanha pelo Instagram ou Facebook, sabe que passei recentemente um fim-de-semana em Coimbra (e quem ainda não acompanha, vai bem a tempo). Quando decidi passar uns dias fora, optei para ir por algum sítio onde encontrasse um bom hotel no centro, e perto de uma estação de comboio para nem ter de ir de carro. Coimbra foi a cidade eleita por ter um Ibis mesmo na zona central e estar a uma curta distância de todos os pontos turísticos que queria ver.

Um fim-de-semana em Coimbra

Coimbra é uma cidade maravilhosa e surpreendeu-me muito pela positiva. O ambiente é tão descontraído e há tanto para ver. Em cada canto há um sítio incrível para conhecer

O hotel – Ibis Coimbra

Hotel Ibis Coimbra CentroO hotel Ibis, em Coimbra, fica mesmo no centro, como vos tinha dito. Tem vista direta para o rio Mondego e fica a poucos minutos da rua de principal comércio na baixa da cidade. Ficámos hospedadas no Sweet Room, um quarto com um conceito descontraído, em tons de cinzento com um toque vermelho. Continuo a adorar a parede que fica em frente à cama, que tem uma televisão no centro e, à volta, desenhos a simular uma estante. Vale a pena realçar que o Ibis Coimbra tem mais três conceitos de quarto:

  • Game: Uma adaptação dos clássicos “Escape Rooms”, com jogos nas paredes e uma conta “mistério” para resolver e, assim, conseguirem encontrar a chave.
  • Fado: Um conceito único nos Ibis em todo o mundo. Neste quarto, produzido pela equipa local, encontram-se fotografias, quadros e referências ao fado de Coimbra que, ao contrário do que acontece em Lisboa, é sempre cantado por homens e é um fado chorado.
  • Zen: Não conseguimos visitar este quarto mas, ao que o nome indica, será ainda mais zen que os anteriores.

A qualidade que mais prezo no Ibis continua a ser a cama, que é das mais confortáveis onde já dormi, bem como o pequeno-almoço. Há sempre uma selecção de coisas que adoro, como fruta fresca da estação, iogurte com sementes e cereais, diferentes tipos de pão, compotas e muito mais.

Coimbra

Como vos disse anteriormente, o hotel fica mesmo muito central. Por isso, fomos a todo o lado a pé. Subimos colinas e escadas até perder as forças mas valeu muito a pena por tudo aquilo que conseguimos ver.

Penedo da Saudade

Penedo da SaudadeNo primeiro dia decidimos começar pelo Penedo da Saudade. É um pequeno parque e miradouro onde se tem uma vista soberba da cidade de Coimbra, incluindo do Rio Mondego. Aqui também se encontram várias placas de pedra, com poemas em homenagem a alguns dos cursos já terminados.

Jardim Botânico da Universidade de Coimbra

Jardim Botânico da Universidade de CoimbraSeguimos rumo à Universidade de Coimbra mas acabámos por nos perder de amores no Jardim Botânico. Respira-se ar puro e sente-se a Natureza na sua plenitude. Tínhamos o jardim só para nós, o que nos permitiu desfrutar dele ao máximo. Descansar e descontrair nos seus 13,5 hectares.

Universidade de Coimbra

Universidade de Coimbra - Pátio das UniversidadesDo Jardim Botânico seguimos rumo à Universidade de Coimbra e ao pátio da Universidade. O espírito académico que ali se vive está presente mesmo ao fim-de-semana, quando os alunos estão em casa (a ressacar, provavelmente). Há faixas de tecido, vindas directamente dos trajes, presas em quase todos os cantos, e uma arquitectura que até dá gosto estudar ali. É aqui que se encontra o ex-libris da cidade – a Torre da Universidade. O mais difícil são as escadas – mais de 100 degraus – para chegar até à estátua de D. Dinis. Mas vale a pena a subida.

Centro histórico

Centro histórico de CoimbraDaí regressámos ao centro histórico, onde há muita coisa para ver. Aqui, as ruas são caricatas e mantêm a arquitectura tradicional. Ao descermos, passámos pela Sé Velha e continuámos até chegar à Praça 8 de Maio, onde se encontra a Igreja de Santa Cruz. Mas há muito mais para ver, especialmente onde o contemporâneo contrasta com o histórico.

Centro histórico de CoimbraParque de Santa Cruz – Jardim da Sereia

Jardim da Sereia CoimbraO nome original é Parque de Santa Cruz mas, por lá, chamam-lhe Jardim da Sereia. Tem uma entrada incrível, mesmo na Praça da República, que é onde a malta jovem se encontra à noite (e mesmo de dia). Ali há imensos bares e restaurantes com preços muito mais simpáticos que em Lisboa.

Rio Mondego

Rio MondegoO Rio Mondego surpreendeu-me pela negativa, pelo facto de estar tão sujo. Ainda assim, há qualquer coisa de calmante em olhar para um rio e, ali, nas suas margens, há muito para contemplar. Incluindo uma estrofe de Miguel Torga, cravada num dos apoios da margem. Confesso que ajudou a acalmar alguns dos meus “demónios” interiores.

Portugal dos Pequeninos

Portugal Dos PequenitosDecidimos não entrar no Portugal dos Pequeninos porque, para além de já estarmos cansadas, achámos que, por nenhuma de nós ter crianças, não fazia sentido. Mas contornámos tudo para chegar ao ponto seguinte do roteiro.

Quinta das Lágrimas

Quinta Das Lagrimas CoimbraA Quinta das Lágrimas tem um encanto especial. Saber que foi lá que se viveu um romance histórico, entre Pedro e Inês, e que foi lá que a pobre Inês foi assassinada, cria uma certa mística. Enquanto passeamos pelos jardins, a mente vagueia. É fácil tentar imaginar o que foi que conversavam aqueles dois amantes apaixonados por baixo das árvores.

Quinta Das Lagrimas Coimbra