Eu sei que todos os dias são Dia da Mãe. Mas este dia, em particular, é uma boa altura para pensarmos sobre tudo aquilo que a nossa mãe representa.

Todos dizemos que a nossa mãe é a melhor do mundo. Mas eu vejo na minha mãe a melhor pessoa que já conheci.

Para a minha mãe, a bondade não tem limites. Para ela, todas as pessoas merecem oportunidades. Todas as pessoas são boas e podem mudar. Já passou por muito na vida, com uma infância menos abastada que a obrigou, muito pequena, a mudar para um país onde não conhecia a língua. Não foi uma adaptação fácil quando foi para fora, e muito menos foi o regresso quando já não dominava a cultura portuguesa da altura.

Desde sempre que preferiu não dar nas vistas. Apesar de ser uma mulher linda (super elegante, com uns longos cabelos pretos lisos e uns calorosos olhos avelã), sempre preferiu manter-se discreta. Evitava todas as luzes da ribalta, procurando também esconder a sua inteligência.

Podia ter sido médica, que era o seu sonho, mas quis o destino que se tornasse professora. A mim, ensinou-me tudo o que sei. Bem sei que não herdei o seu doce feitio, e que por vezes chocamos por isso, mas a minha mãe é uma mulher incrível.

Sem tirar créditos ao meu pai mas, porque hoje é o dia dela, a minha mãe é e sempre será a minha heroína. O meu modelo a seguir.

O mundo seria um lugar tão melhor se mais pessoas houvesse como a minha mãe. Pessoas doces, que acreditam umas nas outras, que promovem paz e harmonia. Que confiam, que dão, que são transparentes, que são genuínas, que são puras. Pessoas… boas.

Tenho o maior dos orgulhos na minha mãe. Tudo aquilo que ela é e representa para mim como mulher e ser humano inspira-me a ser como ela. A única pessoa que sei que NUNCA me vai falhar. Que é a minha melhor amiga. Que tem sempre uma palavra reconfortante. Que mesmo quando sabe que eu estou a agir mal, está do meu lado a dar-me na cabeça, mas sem me abandonar. Cujo riso me contagia mesmo quando estou triste. Que toma conta de mim quando estou doente (e mesmo quando não estou). Com quem tenho de falar três vezes por dia para me sentir bem.

Sei que nem sempre damos valor às pessoas que amamos enquanto as temos connosco. Mas que este dia sirva também para, para além de relembrar bons momentos com as nossas mães, nos recordarmos que temos que lhes dar valor hoje, agora. Não deixar para depois os passeios, as conversas, os abraços, as viagens, as confidências, os mimos. Que o façamos sempre que pudermos, porque nada para elas é mais importante do que um bom momento junto dos seus filhos.

Amo-te, minha mãe. Hoje e todos os dias da minha vida.