Escadarias Selarón Rio de Janeiro

Acabei de chegar da minha primeira ida ao Brasil. Tendo crescido a ver novelas brasileiras (Malhação e Chiquititas eram as minhas preferidas), tinha aquela sensação de que já conhecia, de certa forma, o Rio de Janeiro. A verdade, contudo, é que estava bem longe disso.

Como fui para o Rio em trabalho, decidi tirar uns dias antes para poder conhecer a cidade. Bom, pelo menos o lado mais turístico e para poder aproveitar as praias. Para além das praias da Barra, onde dei alguns mergulhos, apanhei muito sol e fiz várias compras, consegui ir conhecer os pontos “obrigatórios” do Rio num só dia.

Com o clima de violência e insegurança que se vive no Brasil, estava fora de questão ir conhecer os monumentos sozinha através de transportes públicos. Por isso, inscrevi-me numa excursão Full Day, com a Rioline Tours. Paguei 280 reais (não chega a 60 euros), com todos os ingressos incluídos e o almoço também (embora sem as bebidas que, no entanto, são super baratas). Se só têm um dia no Rio de Janeiro para conhecer os pontos turísticos, aqui fica o roteiro de um dia no Rio de Janeiro com a Tourline.

Roteiro de um dia no Rio de Janeiro

O dia começou bem cedo. Às 7h30 tinha o motorista à porta do meu hotel para irmos apanhando os restantes clientes e turistas que vinham fazer o tour no mesmo dia. Juntaram-se diferentes nacionalidades comigo a ser a única portuguesa a bordo.

Leblon / Copacabana

Praia de CopacabanaEmbora não tenha chegado a ir mergulhar em nenhuma destas praias no dia do tour, fomos apanhar vários clientes nessa zona e andámos pelo calçadão a tirar fotos em Copacabana, a maior e mais famosa zona turística do Rio, com cerca de 100mil habitantes.
Ainda era bem cedo quando chegámos a Copacabana, a um dia de semana, por isso a praia ainda estava vazia. Apenas se viam surfistas a aproveitar as ondas que, ao contrário do que pensava, até eram bem grandes (pelo menos para mim, que adoro águas calmas).

Palácio Guanabara

Só vimos o Palácio Guanabara por fora, no caminho para o Corcovado, mas o guia explicou-nos que se trata da casa do governo do Rio, onde todas as semanas há manifestações, especialmente agora em época de eleições. Pudemos confirma-lo no regresso, onde já apanhamos um grupo de manifestantes à porta e muita polícia a cobrir o acontecimento.

Corcovado / Cristo Redentor

Seguimos até ao Corcovado, uma das várias montanhas da Floresta da Tijuca. No topo desta montanha, a 750 metros de altura, encontra-se o Cristo Redentor, ex-libris do Rio de Janeiro.

Há três formas de chegar ao Cristo Redentor: a pé (quase 3 horas), de autocarros ou de comboio. E foi mesmo de comboio que subimos, uma subida bem íngreme de 5 quilómetros e que dura cerca de 20 minutos. Fica a dica, para quem quiser comprar águas, que na subida há uns vendedores ambulantes que vendem garrafas muito mais barato que em qualquer sítio no Rio. E sim, lá em cima é muito quente e uma aguinha sabe bem.

Cristo Redentor Rio de Janeiro

Depois da subida (seja ela de que forma a tiverem feito), chegam a outra plataforma. Daí, ou sobem uns 200 degraus a pé, ou sobem de elevador… E é então que o vêem de perto!

Cristo Redentor Rio de JaneiroO Cristo tem 38 metros de altura e foi construído para celebrar a separação do Brasil de Portugal, quando deixou de ser nossa colónia. Foi um padre brasileiro que, cem anos mais tarde, incentivou a construção de um monumento na capital do país (anteriormente era o Rio). O dinheiro veio toda da comunidade brasileira católica que dava 10% do seu ordenado nas missas de domingo durante cinco anos. Em 1931 inaugurou-se a estátua do Cristo Redentor que, hoje, é a “imagem de marca” do Rio de Janeiro.

Cristo Redentor Rio de JaneiroEmbora não seja tão grande quanto parece nas novelas e nos filmes, não há dúvida de que é uma estátua imponente e que o espaço é meio mágico. O Cristo é feito de ferro e cimento e, na sua base, há um santuário católico para apenas 25 pessoas onde não se pode tirar fotos.

É comum encontrarem-se animais tropicais como macacos junto dos turistas mas que, embora sejam simpáticos, roubam os pertences aos visitantes por acharem que é comida. Muito cuidado com telemóveis e câmaras fotográficas (depois não digam que não avisei).

Cristo Redentor Rio de JaneiroA vista, a 360 graus, é incrível. À direita do Cristo é lado sul, onde vemos Copacabana e Ipanema. A grande lagoa é Rodrigo de Freitas e tem uma zona de corrida de cavalos. Se quiserem ir morar para o Rio, ficam a saber que esta é a zona que aparece na televisão e dos milionários. Á esquerda encontra-se o lado norte, com o estádio Maracanã, e é a maior zona da cidade, onde se encontra o maior número de população.

Maracanã

Estádio MaracanãAcho que todos nós já ouvimos falar do estádio do Maracanã, provavelmente um dos mais conhecidos do mundo. Foi em 1950 que se inaugurou o Maracanã, a propósito de um campeonato do mundo. O Brasil foi à final com o Uruguai e perdeu a copa no último minuto. A desilusão dos brasileiros foi tanta que muitos se suicidaram no próprio estádio, subindo ao tejadilho e atirando-se de lá. E porquê? Porque tinham apostado todo o seu dinheiro na vitória do Brasil. 200 mil apoiantes ficaram dez minutos em silêncio com o choque. Ficou conhecido como o Maracanaço.

Na verdade, o estádio tem o nome oficial de Estádio Mário Filho (e não de Maracanã). Mário Filho foi o jornalista conceituado que teve a ideia de construir este estádio e por isso, o estádio tem o seu nome em sua homenagem. Contudo, passou a ser comumente tratado por Maracanã porque era uma zona ocupada anteriormente apenas por tribos, que chamavam Maracanã aos papagaios.

O estádio maior leva até 79 mil pessoas sentadas. Antes levavam até 200 mil pessoas em pé. Depois de um acidente fatal, reduziram o número de pessoas mas aumentaram a segurança.

Sambódromo

Sambódromo Rio de JaneiroTambém passámos perto do Sambódromo, mas foi uma desilusão. Imagino que, com os desfiles de Carnaval, seja uma loucura mas, no dia-a-dia (a menos que haja algum espectáculo como acontece frequentemente), é um espaço vazio e cinzento.

Sobre o Carnaval, celebra-se sempre 40 dias antes do domingo de Páscoa. No Rio festeja-se cinco dias, 24 horas por dia. No Sambódromo há 12 grupos em competição. Cada grupo de desfile tem 4 mil pessoas que têm 1 hora para atravessar a avenida do Sambódromo a cantar e a dançar. No final dos cinco dias, é eleito o grupo vencedor. O grupo vencedor recebe 5 mil dólares.

Catedral San Sebastian

Catedral San Sebastian Rio de JaneiroA Catedral San Sebastian, com o nome do padroeiro do Rio de Janeiro, é completamente diferente de todas as catedrais que já vi, não só pela sua forma cónica, como pelo seu interior, com vitrais lindíssimos.

Catedral San Sebastian Rio de Janeiro Tem 96 metros de altura e capacita 5 mil pessoas. Foi construída no centro da zona financeira e demorou 12 anos a ser construído.

Escadas da Lapa ou Escadarias Sélaron

Escadarias Selarón Rio de JaneiroConfesso-vos que este foi, provavelmente, o espaço que mais gostei de conhecer no Rio de Janeiro pela cor e vida que se sente, mas também pela história.

Escadarias Selarón Rio de JaneiroSélaron foi um artista chileno que se mudou para o Brasil e, durante 15 anos, colocou os mais de 2000 azulejos de cerâmica que decoram a escadaria. Esta só se tornou realmente conhecida quando o Snoop Dogg e o Pharell Williams usaram as escadarias como cenário para um vídeoclip.

Escadarias Selarón Rio de JaneiroMas, para mim, a parte mais bonita das Escadas da Lapa são os detalhes dos azulejos. Há azulejos com frases, outros com desenhos. E é muito comum ver-se, em vários azulejos, uma mulher negra grávida. Essa mulher era, na verdade, a mulher de Selarón, que morreu no parto (ela e o filho de ambos). Depois da morte da mulher e do filho, Selarón terminou a decoração das escadas mas entrou numa depressão profunda que o levou a suicidar-se.

Fica nota que, antes de subirem a escadaria, é comum encontrarem uma senhora e o seu filho a vender caipirinhas por 5 reais e que são absolutamente divinais (e baratas!)

Bondinho Pão de Açúcar / Morro da Urca

Morro da Urca Rio de JaneiroO tour terminou com a tão desejada ida ao bondinho que une o Morro da Urca ao Pão de Açúcar. O bondinho é o nome que os brasileiros dão ao teleférico, que leva até 65 pessoas e demora 3 minutos entre cada paragem.

Morro da Urca Rio de JaneiroPrimeiro, vamos até ao Morro da Urca, de onde já temos uma vista incrível e 360 graus para o Rio de Janeiro. Só depois subimos ao ponto mais alto, o Pão de Açúcar.

Morro da Urca Rio de JaneiroMorro da Urca Rio de Janeiro Pão de Açúcar Rio de JaneiroTive o azar de apanhar nevoeiro cerrado no Pão de Açúcar e, por isso, não ter conseguido ver absolutamente nada lá em cima, a não ser, por vezes, o Cristo Redentor a aparecer por entre as nuvens. Se não fosse o nevoeiro, teríamos visto um pôr do sol incrível! Fazem, inclusive, festas ao pôr do sol com música e caipirinhas (já vos disse que adoro caipirinhas?).

Pão de Açúcar Rio de Janeiro

Com o nevoeiro cerrado no Pão de Açúcar

O regresso ao hotel é feito quase em silêncio, porque já estamos todos cansados. E, um a um, somos deixados no hotel em segurança. Para quem vai sozinho ou tem pouco tempo para conhecer o Rio de Janeiro, uma excursão é a melhor opção. Não perdemos tempo em filas a comprar bilhetes, já está tudo incluído e temos quem nos vá buscar e deixar ao hotel. Sem dúvida, uma experiência que recomendo vivamente, não só pela informação privilegiada que o guia turístico nos vai dando, como pelo conforto e rapidez com que vemos os principais pontos turísticos da cidade num só dia.