Os presentes mais originais que já dei

Sou daquele tipo de pessoas que adora oferecer presentes e mimar as pessoas de quem gosto. Não me interpretem mal – também adoro receber presentes e que me façam surpresas. Acho que é uma maneira de demonstrar que penso nas pessoas e que são importantes para mim. Não precisam de ser bens materiais (ou, no caso de serem, não é preciso sequer ser caro). Podem ser apenas detalhes que sei que fazem a diferença. Claro está que, como boa romântica que sou, já ofereci presentes muito especiais e hoje partilho convosco os presentes mais originais que já dei.

365 Reasons Why

Tive um namorado super despassarado que se esquecia sempre de tudo. Decidi, quando fizemos um ano de namoro, oferecer-lhe uma agenda personalizada. Todos os dias tinha um motivo diferente pelo qual gostava dele. Super piroso, eu sei, mas na altura fazia sentido e sim, tinha mesmo muitos motivos para gostar dele (dramas de uma pita apaixonada).

Memes Challenge

Quando o meu irmão fez 16 anos, estava numa fase antisocial e não queria estar com pessoas e fazer uma festa. Os memes já estavam muito na moda e ríamos muito juntos com alguns deles. Decidi escolher os nossos preferidos e adaptei 16 meses a pensar nele e nos gostos dele. Espalhei-os pela casa e, quando acordo, teve de os encontrar e guardar a todos até chegar ao bolo, o seu último meme.

33 anos, 33 presentes

No ano passado, o meu namorado fez 33 anos. Andava sempre cheio de trabalho e muito em baixo e não queria fazer nenhuma festa. Sabíamos que ele precisava de algo para se animar e, por isso, preparei a maior surpresa que já fiz na minha vida. Bem, foram 3 na verdade. Primeiro, organizei um jantar surpresa com a sua família e amigos, onde o bolo foi encomendado a pensar no CrossFit  (que ele adora). No final do jantar, passámos um vídeo que andei a fazer durante um mês – uma montagem de vídeos de todos os amigos e família a desejar-lhe os parabéns, bem como fotos antigas e vídeos dele a fazer palhaçada. No final da noite, quando chegámos a casa dele, tinha um papel na porta a explicar que tinha uma actividade para fazer. Como fazia 33 anos, tinha 33 presentes para encontrar e abrir…por ordem! Estavam escondidos pela casa toda, com um balão numerado e um postal. Ao longo de dois meses, andei a procurar, encomendar e preparar 33 presentes que ele precisava, queria ou lhe dava jeito e cada presente tinha um cartão a explicar o porquê daquele presente. Foi sem dúvida o presente e a surpresa que mais trabalho me deram.