Dia da Mãe

Tenho uma mãe incrível. Sei que todos sentimos que temos a melhor mãe do mundo, e é perfeitamente legítimo, mas acreditem quando vos digo que a minha mãe é simplesmente fantástica. Tanto que nem sei bem por onde começar – ou se consigo sequer descreve-la.

A minha mãe tem um coração de ouro, acreditem. Tem, dentro dela, o dom de perdoar os outros, mesmo quando lhe falham e a magoam. Mesmo quando ela, mais do que qualquer outra pessoa, não merece. Mesmo quando não lhe pedem desculpa ou fazem algo para tentar remediar os seus erros. Mas a minha mãe, esse ser incrível, perdoa.

A minha mãe tem um sorriso contagiante. Sei que ela acha que não tem o sorriso mais bonito do mundo, mas se soubesse como me aquece a alma cada vez que sorri para mim ou que solta aquelas suas gargalhadas que enchem uma sala inteira, sei que ia sorrir mais vezes. Porque ela é ainda mais bonita quando sorri.

A minha mãe é muito inteligente. Professora e apaixonada pela sua profissão, a minha mãe nunca deixou de estudar nem de se ir formando e aprofundando conhecimentos em diversas áreas. É que, sabem, a minha mãe adora aprender. Detesta sentir que está a parar e encontra sempre coisas novas para estudar ou desenvolver. E a sua escrita? Oh meu Deus! A minha mãe escreve como ninguém! As colegas do Mestrado, que tirou há uns anos, pediam-lhe todas as semanas ajuda para fazer revisões do trabalho. É que a minha mãe é muito meticulosa e atenta a todas as palavras, sabendo conjugar letras e palavras como ninguém para criar textos que parecem poesia.

A minha mãe tem o melhor abraço do mundo. Sinto que não há sítio nenhum neste mundo onde me sinta mais segura senão nos seus braços. Sabe medir a intensidade do abraço para que não aperte demais nem de menos. É a medida certa para sentir que estou dentro de uma fortaleza impenetrável, onde só existo eu e ela, e nada no mundo me pode fazer mal.

A minha mãe é a melhor ouvinte que conheço. Ouve todos os meus devaneios, porque é sempre a ela que ligo em primeiro lugar. Sabe encontrar o sentido nas palavras que não digo, e conhece todos os meus tons de voz para saber como me estou a sentir naquele momento. E sabe exactamente quando deve falar, e quando deve ouvir.

A minha mãe é a melhor enfermeira do mundo. Não há medicamento nenhum que me tire tanto a febre e as dores como os cuidados da minha mãe. Aquele chá quentinho que ela prepara com a dose certa de açúcar e na temperatura que aquece mas não queima. Aquele carinho que faz deixar de doer.

A lista continua por uma infinidade de temas que podia abordar, porque ela é espectacular em tudo o que faz. Talvez não tanto com as tecnologias, vá, mas faz sempre um esforço para aprender.

Tudo isto para dizer que tenho uma mãe incrível. Um exemplo de mulher a educar-me e a amar-me todos os dias, servindo de musa inspiradora para o tipo de mulher que um dia sonho ser.

Minha mãe, nunca mudes. Amo-te!