Cola UHU

Fui desafiada a falar um pouco mais sobre mim aqui no blog e, dizem as métricas, que os conteúdos onde revelo um pouco mais da minha vida são aqueles que os meus leitores mais gostam. Por isso, o post de hoje tem um toque meio nostálgico, porque vou-vos falar da minha infância.

Até aos sete anos, fui filha única. Tinha o meu quarto, imensos brinquedos e não me faltava nada. Os meus pais tinham um bom emprego e era a altura das vacas gordas. Posso dizer-vos que fui uma criança mimada mas, felizmente, os meus pais sempre souberam, apesar disso, colocar-me regras e disciplina. Isso ajudou-me a não descambar, algo que acontece muito aos meninos mimados.

Apesar de adorar estar com outras crianças e ser uma criança muito dada (não era daqueles miúdos sempre enfiados por baixo da saia da mãe), sempre me diverti muito sozinha. Lembro-me de perder horas sozinha no meu quarto, a ver o filme da Branca de Neve (aí sim, fugia para a cozinha quando aparecia a bruxa porque me dava um medo de morte), a pintar e a fazer desenhos.

Sempre fui muito virada para as artes e desde pequena que gosto muito de trabalhos manuais. Se tenho jeito ou não, a conversa já é outra. Mas era capaz de perder tardes a fazer recortes, a pintar, a escrever e a combinar tudo numa (ou várias) folhas A4.

Sabem, há outra coisa também – desde pequena que adoro material escolar. Era (e ainda é) uma perdição passear pelos corredores dos supermercados na altura do regresso às aulas. O cheiro dos cadernos novos por estrear, as canetas de todas as cores, os novos modelos de lapiseiras e todos os outros materiais que enchiam o meu estojo. Podia ter muita coisa, mas estimava tudo. Gostava tanto dos meus cadernos, livros e materiais que cuidava de todos eles com muito cuidado para não estragar. Convosco era igual?

Nesse meu estojo escolar, para além da caneta, dos lápis e da borracha, havia algo que nunca podia faltar: a cola UHU. Não podia ser de outra marca, tinha de ser aquela. Aquele tubinho amarelo de tampa branca, que demorava meses até secar e que nunca falhava a sua função de colar os meus recortes todos nos cadernos. Aquela cola UHU, com aquele cheiro que era só dela e que quase dava vontade de comer.

Lembro-me de ter experimentado outras marcas, mas nenhuma delas era tão boa. Há aqueles produtos que nos ficam na memória e que não os trocamos, e esta cola é uma delas. Hoje em dia já não uso essa cola, mas a minha enteada e as minhas sobrinhas sim. É com a nova geração que volto, tantas vezes, às memórias da minha infância.

Cola UHUA convite da UHU, voltei atrás no tempo com esta cola, que fez parte do meu dia-a-dia até quase à faculdade. Ainda hoje tenho um ou dois tubinhos guardados na minha gaveta do material escolar/escritório. Ainda hoje não me desfaço dela.

Mas, hoje em dia, a UHU está longe de ter apenas material escolar. Tal como eu, a marca também cresceu. Hoje, é a minha enteada que usa a cola e sou eu que uso o resto para a casa. Desde material para projectos de DIY mas, também, para a casa com desentupidores de canos, material de fixação e vedação e muito mais. Se quiserem ver como a marca evoluiu, espreitem o site e divirtam-se.