Duas Verdades e Uma MentiraA história de “Duas Verdades e Uma Mentira” saltita entre o que se passou há 15 anos e o presente. Emma Davis, com 13 anos, foi enviada para o Campo dos Rouxinóis, uma colónia de férias num terreno enorme com um lago gigante, só para miúdas ricas. Por ter chegado atrasada, foi colocada numa cabana com três miúdas mais velhas, ao invés de ter ficado numa cabana junto às miúdas da sua idade. Quis o seu feitio que se tornasse amiga/protegida da líder, Vivian, e das outras duas miúdas da sua cabana. Emma estava delirante por encontrado esta “irmã mais velha” que admirava e Vivian, cuja irmã tinha morrido afogada, também estava contente por ter encontrado uma “irmãzinha” que pudesse proteger e ensinar. Vivian era linda, esperta, atrevida e adorava jogar ao “Duas Verdades e Uma Mentira”, um jogo no qual temos de dizer três frases, e só uma delas é mentira. Cabe aos outros participantes descobrir qual. Duas semanas depois de ter chegado ao Campo dos Rouxinóis, Emma acorda sozinha na sua cabana e percebe que as três miúdas desapareceram. Nunca mais ninguém as viu e, claro, assumiram-nas mortas após várias buscas em todo o terreno.

15 anos mais tarde, Emma ainda vive assombrada com o desaparecimento de Vivian e das outras duas raparigas. É algo que a persegue desde então. Sabemos que Emma sente-se culpada, de certa forma, mas não sabemos porquê. Até receber a notícia que o Campo dos Rouxinóis vai voltar a ser aberto no Verão e que foi convidada para ir. Franny, a proprietária, faz questão de a visitar pessoalmente e de a convencer a ir. Decidida a enfrentar os seus fantasmas e a descobrir o que realmente aconteceu a Vivian, Emma aceita regressar ao sítio que mudou a sua vida. Reencontra pessoas que marcaram a sua infância e, entre o presente e o passado, vamos conhecendo melhor cada personagem. Theo e Chet, os filhos de Franny, que também tinham estado no acampamento tantos anos antes. E outras campistas que, tal como Emma, agora regressaram como monitoras.

Emma descobre, então, um mapa e o diário de Vivian e percebe que Vivian sabia de algo em relação ao Campo dos Rouxinóis. Algo de muito errado. Serão as histórias de assombrações verdadeiras? Há alguma hipótese de as miúdas não terem morrido? E, se morreram, foi intencional ou um acidente?

As suas descobertas levam-na a meter-se em sarilhos e a enfrentar a sua sanidade mental quando as suas três companheiras de quarto desaparecem da mesma forma misteriosa que Vivian e as outras desapareceram quinze anos antes. E mais não posso adiantar… Deixei-vos com água na boca? Espero que sim, porque surpreende!

“Duas Verdades e Uma Mentira” é um livro de Riley Sager, o primeiro que leio deste autor. Sager criou uma boa narrativa, que se torna mais intensa e viciante perto do final. Ao início, estava a ter dificuldade em concentrar-me na história e a perceber o seu potencial. Até que me comecei a colocar no papel da Emma. A sentir o seu desejo de descobrir o que se passou. A odiar alguns personagens e a amar outros. A sentir-me desconfiada. Acho que troquei de suspeito umas quatro vezes até descobrir tudo. E, quando achei que já sabia tudo, não sabia nada. O final muda tudo o que lemos até então. Muda toda a perspectiva da história dos personagens.

Para quem gosta de thrillers, fica mais uma sugestão de leitura da Topseller.