A Cevicheria

O ceviche, para quem não conhece, é um prato original do Peru que consiste, resumidamente, em peixe cru marinado com sumo de limão. Pode parecer algo estranho mas, acreditem, é delicioso. Provei pela primeira vez este prato, curiosamente, no restaurante O Talho, do Chef Kiko. E, apesar de ser um restaurante de carnes, fiquei encantada e com a melhor das impressões sobre o ceviche que, até então, me era desconhecido.

A CevicheriaFoi por isso que, mais tarde, eu e a Cristiana do Salto Alto decidimos ir conhecer A Cevicheria, outro restaurante de sucesso do Chef Kiko. O restaurante é bastante discreto para quem vê de fora e, quando entramos, o espaço é muito pequeno, não aceitando reservas. Tivemos de ir relativamente cedo almoçar (sendo que as portas abrem às 12h30) e rapidamente se gerou uma fila à porta para provar as iguarias. Uma vez que as (poucas) mesas estavam já ocupadas, ficámos sentadas numas cadeiras altas numa espécie de balcão que permitia que assistíssemos de perto à confecção de vários pratos. E, claro, ficámos sob o olhar atento do Polvo Cevi, a enorme estátua de um simpático polvo que se encontra no tecto.

A Cevicheria PiscoPedimos o menu degustação, que consiste em seis pratos distintos para provarmos diversos pratos. Mas, enquanto esperávamos, bebemos o Pisco, uma bebida peruana doce, mas bem forte. Deu logo para aquecer, porque estávamos cheias de frio.

A Cevicheria gaspacho de ovas e gambasComeçámos com um gaspacho de ovas e gambas. É um prato frio delicioso e perfeito para começar, com as ovas a estalar na boca e a gamba, crua, a completar-se e a reforçar o sabor, potenciado por breves ervas aromáticas.

A Cevicheria Ceviche PuroSeguimos para o espectacular Ceviche Puro, composto por peixe branco da Época, puré de batata doce, cebolas, algas e leite de tigre. Este foi o prato que tinha provado no restaurante O Talho, pelo que esbocei um sincero sorriso quando vi este prato a chegar. A combinação de todos estes ingredientes não podia ser mais bem conseguida. A tira estaladiça de batata doce frita, os coentros e a cebola fina, em conjunto com o leite de tigre e o peixe branco, merecem um Óscar. A sério, este prato é mesmo muito bom (e eu não como peixe branco cru em mais lado nenhum).

A Cevicheria Causa de LavaganteO prato seguinte foi a Causa de Lavagante, composta por lavagante, galinha, puré de batata e abacate. O puré de batata é preto (uhhhhhh) e leva ainda aquelas ovas deliciosas e estaladiças que estalam na boca (adoro). Esta mistura é aconchegada numa crocante folha de alface e completada com pedaços de tomate cherry. Mais um prato fresco e leve, altamente saboroso e diferente do tradicional.

A Cevicheria Quinoto do MarChegámos, então, ao primeiro prato quente e ao meu preferido: Quinoto do Mar. Oh senhores… as minhas papilas gustativas bateram palminhas de satisfação e fizeram uma standing ovation a este prato. Foi a melhor quinoa que comi na minha vida, com camarão, berbigão, mexilhão, peixe branco, algas, espuma de ostras e kombu. Posso-vos dizer que estou, desde esse momento, a sonhar com o meu regresso lá só para voltar a comer este prato que me conquistou e se tornou um preferido de sempre. A quinoa estava exactamente no ponto que tinha de estar e a combinação com o resto dos ingredientes é, simplesmente, perfeita.

A Cevicheria Croquetes de PatoAgora que já limpei a baba, posso continuar. Seguiram-se os Croquetes de Pato, compostos por pato confitado, arroz de ervilhas, milho e salsa criola. Aqui tenho de deixar desde já a ressalva de já estar a) cheia b) encantada com todos os pratos anteriores e c) não gostar de legumes nem propriamente de pato. Como tal, este foi o prato que menos me entusiasmou, embora os croquetes estivessem realmente bem conseguidos e nem o arroz tem um sabor muito intenso a legumes. Se não estou a falar com entusiasmo sobre este conjunto é por uma questão de gosto pessoal e de não ser fã dos ingredientes que aqui estão, nada mais.

A Cevicheria salada de frutasPara concluir, e uma vez que não sou grande adepta de doces, pedi uma salada de frutas. É claro que foi a salada de frutas com mais pinta que já comi e, obviamente, a mais saborosa também. É incrível como o chef Kiko pega em pratos tão simples como uma salada de frutas e lhe dá um toque com tanto glamour que eu senti que estava a comer uma iguaria. O remate com flores comestíveis foi a cereja no topo do bolo.

A CevicheriaPosto isto, o que vos posso dizer mais? Que o staff foi sempre simpático, do início ao fim da refeição, explicando-nos todos os pratos em o maior detalhe. Que todos os pratos foram confeccionados e apresentados com um rigor e uma disposição irrepreensível. Que a mistura de ingredientes é sem dúvida diferente e original mas que resulta em combinações inesquecíveis. Que provei a melhor quinoa do mundo e que, pela Cevicheria, era capaz de trocar a carne pelo peixe.

Posto isto, espero ter-vos aguçado o apetite mas acredito que, se forem ao Facebook e ao Instagram d’A Cevicheria, que fiquem ainda mais de água na boca (porque eu, neste dia, estava com um problema na máquina e tive de me contentar com a câmara do telemóvel).

Agora, lanço-vos eu o desafio: que restaurantes do género recomendam? Contem-me tudo porque adoro provar novos pratos e conhecer novos espaços!