Balanca bodymaster rowenta_

Já cansam estes altos e baixos no #BsRoadToFit. Com todos os devaneios que aconteceram nos últimos meses, os números na balança voltaram a subir, a roupa a ficar mais apertada e a auto-estima mais em baixo. Queixar-me não vai resolver o meu problema. Mas comer melhor e mexer o rabo, sim.

Comecei, timidamente, a voltar a controlar as calorias. É muito difícil para mim fazê-lo quando como tantas vezes fora. Quando vou a um restaurante, dificilmente resisto a umas batatas fritas, por exemplo. Também nunca consigo dizer que não ao cheesecake do senhor Simões, ou a uma pizza. E, enquanto o escrevo, começo a salivar e a sonhar em encomendar uma grandessíssima Domino’s. E sei que, num regime de alimentação saudável, há espaço para deslizes. Aliás, a meu ver, DEVE haver espaço para deslizes. Para ter refeições sem culpa. Mas essas devem ser a excepção. Comigo, contudo, o problema é que são a norma. E é algo que quero muito inverter, não só por questões estéticas como por questões de saúde.

Ter visto a minha mãe a combater a preguiça, a ir ao ginásio quase todos os dias e a perder imenso peso (parabéns mamã!), está a dar-me a força que faltava para dar o passo em frente. Se a minha mãe consegue arranjar motivação, eu também consigo arranjar.

O primeiro passo é retomar as indicações do Breaking My Limits que, no ano passado, me ajudou a perder alguns quilos. O desafio é consumir apenas 1300 calorias por dia, que posso gerir como quiser.

O segundo passo é monitorizar o peso todos os dias. Para isso, tenho usado a balança BodyMaster, da Rowenta. Pesar-me todos os dias e anotar os valores num papel ou numa app (uso o MyFitnessPal) permite-me, depois, fazer a média semanal. Se me pesar só uma vez por semana, o peso pode não estar certo. Basta estar menstruada ou ter comido algo com muito sal no dia anterior para inflacionar em quase dois quilos o meu peso. Assim, tenho uma medição mais acertada.

Balanca bodymaster rowentaA balança BodyMaster é diferente de todas as balanças que já tive – e a mais completa e útil. Com ela podemos criar até quatro perfis diferentes. Quando a usei pela primeira vez, reuni as três outras pessoas da casa que a viriam a usar como eu e, uma a uma, criámos os perfis – altura, sexo e idade. Com base nestas informações, ela calcula a percentagem de massa gorda sempre que nos pesamos. Fantástico, não é? Consegue fazê-lo através da impedância biolelétrica, que envia correntes elétricas através do corpo (não se preocupem que não sentem nada) e, graças aos sensores de massa gorda localizados na balança, consegue determinar as nossas gordurinhas a mais. E depois, em conjunto com os dados que já tínhamos fornecido no nosso pefil (altura e sexo), calcula-se a massa muscular.

A plataforma é feita de vidro e o visor é um LCD. Também gosto muito do facto de se ligar automaticamente assim que me ponho em cima da balança e, uns 10 segundos após sair, ela desliga-se logo. Para além disso, como é em tons de cinzento, combina com tudo.

O terceiro passo é, então, levantar o rabo do sofá e, pelo menos, fazer os 10.000 passos diários, uns agachamentos e uns burpees.

Num cenário optimista, gostaria de chegar aos 60kgs. Já faltou mais porque, quando comecei este registo há duas semanas, estava precisamente nos 70kgs. Hoje já vou nos 68,6kg. São quase 9 quilos mas acredito que, com a força de vontade, vou chegar onde quero. E podem não ser os 60kgs mas sentir-me bem com 62kg, por exemplo. Semana a semana terei de ser melhor e de estar melhor do que na semana anterior. E, a partir daí, vou gerindo.