Barbara-Bacao-Living-in-Bs-Shoes

Alguém que me explique o que se está a passar em Portugal. Não há dia nenhum nas últimas duas semanas em que abra o Facebook e não veja um anúncio de um novo casamento ou de uma nova gravidez. A sério! É verídico! Primeiro achei que estava a exagerar mas dei-me ao trabalho de apontar num post-it todos os dias em que via, no meu feed, um novo anúncio do género. Adivinhem… TODOS-OS-DIAS!

Ainda não decidi como é que isto me faz sentir mas, do alto dos meus 28 aninhos, é algo que anda a mexer com o meu sistema nervoso e que me traz sentimentos mistos. É que, entre a felicidade por ver que as minhas amigas e conhecidas (muitas delas até mais novas que eu) andam a avançar com as suas vidas, a juntar os trapinhos e a gerar novas vidas, eu continuo sem sair da cepa torta.

Vamos por partes…

O meu primeiro pensamento foi constatar que o país está em crise e que a grande maioria de nós não tem um emprego estável nem uma vida que permita pensar a longo prazo. Ter uma criança ou investir num casamento são decisões que, pensava eu, iam passar para segundo plano, apenas depois de termos uma carreira e tudo estabilizado.

Depois, percebi que, apesar de o pensamento anterior ser racional, o amor e a paixão levam a decisões  que, embora possam ser irreflectidas, marcam a nossa vida para sempre. Também já tive paixões avassaladoras com quem teria tido um filho ou casado se a oportunidade tivesse surgido porque, claro, o meu discernimento estava toldado. E claro está que nem uma criança nem um anel no dedo me fariam ficar o resto da vida com aqueles idiotas.

E depois deixei eu mesma de ser idiota e assumi a realidade – estou a ficar mais velha e o normal seria que, aos 28 anos, já estivesse casada e com filhos. Pelo menos era assim que a Bárbara dos seus 12 anos achava que ia estar antes dos 30. Ah ah ah

A verdade é que parte destes meus amigos e amigas que assumem as gravidezes e casamentos são pessoas que eu sei que, naquela mesma relação, já enfrentaram traições, mentiras e humilhações. Porquê a decisão de ter filhos ou casar, já? Será o medo de ficarem sozinhos? De não conseguirem engravidar mais tarde? O receio dos comentários da sociedade?

Não vou ser hipócrita… é claro que quando vejo mais um anúncio de gravidez ou de casamento fico muito contente pelas pessoas e por ainda existir gente neste mundo que se ama ao ponto de querem casar e ter filhos juntos. Mas também me deixa a pensar se algum dia vai acontecer comigo. Será que eu vou passar do prazo de validade? Será que serei apenas madrasta dos filhos de outras pessoas? Será que alguém me vai amar o suficiente para querer ficar comigo “para sempre” e fazer bebezinhos chorões comigo?

Bem, não sei cá nada disso porque não posso prever o futuro. Ás vezes nem eu própria sei se quero casar e ter filhos, ou se ficaria bem assim a vida toda. Mas que, à minha volta, anda tudo a ter bebés e a casar, ah isso andam. E eu aqui preocupada com as calorias que vou comer hoje ao jantar. Enfim, prioridades.