Living in Bs Shoes Bárbara Bação

Ter um blog há mais de quatro anos proporcionou-me coisas fantásticas. Conheci pessoas incríveis e experienciei momentos que, de outra forma, nunca o teria feito. Mas como há sempre dois lados de uma moeda, deu-me também a oportunidade de conhecer pessoas que preferia nunca ter conhecido. Abaixo partilho convosco 7 coisas que os bloggers fazem e que eu odeio.

Falar mal dos outros bloggers pelas costas

Isto acontece em todo e qualquer lado da nossa vida, especialmente quando trabalhamos com mulheres. Originalmente, sou uma pessoa mais ingénua, que tende a (querer) não ver este tipo de situações… até me tentarem pisar os calos. Já aconteceu profissionalmente e, até mesmo neste universo de bloggers, isto acontece. Há espaço para todas e formas de cada uma expressar a sua originalidade e se fazer valer pelos seus conteúdos. No entanto, há sempre uma ou outra pessoazinha mais ressabiada que, por ter um blog mais antigo ou achar que o seu blog é melhor, passa a vida a tentar denegrir a imagem da outra blogger. Pessoalmente, não o faço porque a) não preciso de denegrir a imagem de ninguém para mostrar aquilo que valho e porque b) quero que seja o meu trabalho a falar por mim. Quem se identificar com isso e quiser trabalhar comigo, melhor. Quem não quiser, tenho pena mas cest la vie.

Ainda assim, há algumas pessoas que são mais pequenas de espírito e que acham por bem tentar denegrir o trabalho das outras bloggers/colegas apenas porque conseguiram parceria com marca X e elas não, mesmo tendo um blog mais antigo. Falo-vos na primeira pessoa, porque fui “vítima” de uma pessoazinha dessas que, frustrada por ainda não ter conseguido parceria com uma marca com a qual eu consegui, fez questão de entrar em contacto com a marca a falar mal de mim (já para não falar do que diz de mim às outras bloggers). Felizmente a marca não se identifica com pessoas que agem como essa pessoa e, como tal, riscaram-na por completo da sua lista de futuras parcerias. Afinal, quando nos esforçamos tanto por denegrir a imagem de outra pessoa, estamos simplesmente a mostrar aquilo que somos (neste caso, muito pequeninas de cabeça).

A esse tipo de pessoas falta muita coisa, especialmente um sentido de auto-análise. Cada vez que vejo uma blogger conseguir uma parceria com uma marca com a qual me identifico e gostava de trabalhar, páro e analiso. O que é ela está a fazer que eu não? De que forma é que posso melhorar o meu conteúdo e forma para atrair marcas assim? Que tipo de proposta posso fazer à marca de forma a colaborar, também, com ela? Jamais, em quatro anos de blog, invoquei o nome de outra blogger como forma de chantagem/ameaça para conseguir o que quer que fosse. Há que parar de ser pequenino de cabeça e fazer um esforço para evoluir. Seja com um blog, seja em qualquer projecto pessoal ou profissional em que nos encontremos.

Copiar as fotografias das outras bloggers

Pois bem, isto é algo que mexe muito com o sistema nervoso de muita gente – e com razão. Tirar uma boa fotografia não é, simplesmente, pegar na máquina e disparar. Há todo um trabalho de preparação que ninguém vê. Confesso que, olhando para alguns blogs com imagens tão incríveis como o Tinny Little Pieces of Me, o Coquette à Portuguesa, o Chic Reaction ou o Oh Maria, parece que é a coisa mais fácil do mundo. É preciso um sentido estético muito apurado para preparar “os ingredientes” para uma boa fotografia, para além da técnica de edição de imagem, que pode ajudar bastante no resultado final.

Depois de todo esse trabalho para se chegar a um resultado harmonioso, bonito e irrepreensível, vem alguma ave rara e usa essa mesma fotografia como se fosse sua. Nunca me aconteceu (mas também não acho que tenha fotografias apelativas o suficiente para isso), mas imagino a frustração que deve ser para quem se vê a ser “roubado” assim.

Não é um elogio roubar-se uma fotografia. É um elogio, isso sim, caso seja feita uma partilha identificada dessa fotografia. Ou seja, se fosse eu, gostava que, pelo menos, tivessem a decência de identificar-me no texto e, já agora, colocar um link para a minha página.

Aprendamos a valorizar o trabalho dos outros e a dar-lhes crédito por isso, ok?

Só falarem uns com os outros para pedir contactos de marcas

Isto foi algo que já aconteceu comigo várias vezes, e que me causa uma espécie de urticária. Comecei do zero, sem pedir contactos a ninguém. Os que já tinha, trouxe-os do meu trabalho anterior como editora do MSN Mulher, onde trabalhei para os conseguir. No entanto, não tenho qualquer problema em ajudar uma blogger amiga que se disponibilize em trocar contactos comigo também.

Conheço, no entanto, algumas pessoas que só vieram falar comigo para me pedir contactos mas que, quando lhes perguntei sobre uma ou outra marca com a qual trabalham, não me deram qualquer ajuda.

Felizmente, tenho-me desenrascado bem praticamente sozinha e com poucas ajudas, mas confesso-vos que me dá uma raivinha conhecer pessoas que têm a lata para pedir aos outros mas são incapazes de partilhar. Amizades, há espaço para todas nós no universo dos blogs, ok? Não é por partilharem um contacto de uma marca ou agência que vão perder a vossa relação com ela, ok? Nem é por outra blogger enviar um email que a marca se vai identificar com o seu trabalho e querer fazer uma parceria. Acalmemo-nos e sejamos amigos uns dos outros, ok?

Ir a eventos só para receber os produtos

Não vou mentir. É claro que qualquer pessoa gosta de receber produtos. É óbvio que sim. Muitas vezes os eventos acontecem após um longo dia de trabalho, onde temos de nos pôr no trânsito para lá chegar. Atrasamos os jantares e o banho aos miúdos para estar presentes. Vamos fotografar e agarrar o máximo de informação possível para, posteriormente, falarmos sobre eles. Sim, é claro que receber produtos nos sabe bem até porque, para 99% dos bloggers deste país, produtos e serviços são o único pagamento que recebemos pelo nosso “trabalho” e divulgação. E sim, quando vamos a um evento sabemos que vamos receber qualquer coisa, nem que seja uma pen com informação.

No entanto, fica tããão feio ver aquelas pessoas que só vão para os eventos receber o seu “presente”. Que nem estão a aproveitar o momento para conhecer as novidades, fotografar e/ou conviver com as outras bloggers ou com os responsáveis da marca. Estão, simplesmente, de olhos postos nos sacos. Ou então, como já vi acontecer porque foi uma conversa tida comigo, só vão aos eventos que sabem que vão receber algo de maior valor. E que escolhem os eventos consoante a qualidade dos brindes que acham que podem receber.

Malta, fica feio. Aproveitem os eventos, façam networking, divulguem o vosso trabalho e absorvam muita informação sobre os produtos. Abram os vossos sacos a caminho de casa, sem parecerem maluquinhas a abrir os sacos à porta, às escondidas, porque parecem crianças mimadas com um brinquedo novo. Acalmemos a passarinha, sim?

Infiltrarem-se nos eventos que não são convidados

Ora bem… Parece inédito, mas acontece. Há pessoas que, sem vergonha na cara, aparece nos eventos em que não são convidadas. E, mais do que ser uma fura-eventos, ainda ameaçam quem está à porta de má divulgação da marca/agência se não entrarem. Mas, afinal, o que esperar de uma pessoa que é capaz de tentar denegerir a imagem de outra simplesmente para receber 1 ou 2 produtos extra?

Numa blogosfera com tantos bloggers, é perfeitamente normal que as marcas tenham de fazer uma selecção. É impossível estabelecer-se parcerias ou relações estreitas com toda a gente. E os seus critérios de selecção podem ser variados, desde antiguidade, número de seguidores no Facebook, quantidade de pageviews mensais ou diárias, contactos, etc. Quer concordemos que não, há que respeitar as decisões das marcas. No entanto, caso tenham conhecimento de um evento que vai existir e que gostariam de estar presente, podem sempre enviar um email simpático à marca/agência de comunicação que o está a organizar, dizendo que tiveram conhecimento e que gostariam de estar presente e fazer a cobertura. Quem sabe se não recebem um SIM? O não está sempre garantido, por isso não custa tentar. Mas sempre de forma íntegra, aceitando qualquer resposta, mesmo a negativa.

Fazer copy paste

Querer ter as parcerias todas que os outros bloggers têm e fazerem apenas copy paste dos Press Release é, na verdade, gozar um pouco com a cara do resto da malta que se esforça, não? Vejo algumas bloggers que gostam de dizer que são melhores que as outras, que os seus blogs são mais antigos e que merecem mais parcerias e bla bla bla, mas que, se formos visitar os seus blogs, são uma montra de retalhos. Não há originalidade nos conteúdos, nem o mínimo esforço. São listas e listas de artigos cujo único conteúdo é uma imagem com a montagem das várias imagens que nos são enviadas nos Press Releases, apenas com um link por baixo. Nada mais.

Ou isso, ou o copy paste na íntegra da informação que é enviada, em massa, sobre o produto em questão. Amigas, isso qualquer pessoa pode ler no site das marcas. O nosso trabalho como blogger é acrescentar algo mais. Se quiserem usar algo que está no Press, usem um ou dois parágrafos, indicando-os como citações. Não utilizem esse conteúdo como se fosse vosso, porque qualquer leitor se vai sentir defraudado quando descobrir que não é.

Sejam originais. Já que querem tanto as parcerias que os outros conseguem, esforcem-se para as merecer. Tirem as vossas fotografias, partilhem o vosso conhecimento e experiência. Esqueçam, pelo amor de Deus, o copy paste.

Serem verdadeiros lambe-botas

Nunca gostei de pessoas assim, e comecei a vê-las em força quando andei na faculdade. Sou uma pessoa que gosta de ser reconhecida pelo resultado do meu esforço e dedicação. Não gosto de receber elogios por andar a dar graxa seja a quem for. Não quero ser conhecida assim, nem me sinto bem por isso.

No mundo dos blogs também há muita gente assim. Muitos “amorzinho” para cá, muito lamber-botas para lá. O que interessa é cair nas graças das marcas e receber muitos produtinhos, não é? NOT! Se vocês sabem quando alguém vos está a dar graxa para vos pedir um favor, quem representa as marcas sente o mesmo e acaba por criar algumas barreiras… ou não. Há quem goste de ser bajulado e a coisa até funciona.

Quer resulte, quer não, a mim soa-me sempre a falso e dá-me vómitos ver alguém a lamber botas alheias. Mas cada um sabe de si, e Deus sabe de todos.

Pronto, acabei o meu desabafo! Identificam-se com algum dos pontos? O que acham que falta incluir?